Notícias do Grupo Werlang

Soja dispara em Chicago e sobe mais de 30 pontos ainda de olho no adverso clima da América do Sul

branding-design-semente-soja
( Foto: http://goo.gl/WqpXjV )

 

 

O mercado internacional da soja começou o dia testando uma nova realização de lucros na sessão desta segunda-feira (25) na Bolsa de Chicago, porém, logo voltou a atuar em campo positivo. Os futuros da oleaginosa, por volta de 12h50 (horário de Brasília), subiam quase 30 pontos, levando as posições julho e agosto/16 de volta aos US$ 10,20 por bushel, e as demais a superarem os US$ 10,00.

Segundo explicam analistas, os preços ainda têm suporte entre seus fundamentos para buscar novos patamares e mais ganhos, porém, a forte participação dos fundos de investimento no mercado internacional da soja traz de volta a volatilidade aos negócios que, há tempos, não vinha sendo registrada.

“O clima na América do Sul está deixando os mercados loucos nesta segunda-feira”, dizem analistas internacionais ouvidos pela agência de notícias Bloomberg. O foco permanece no excesso de chuvas na Argentina e na seca em determinados pontos do Brasil. No primeiro caso, inundações seguem deteriorando as lavouras, enquanto no segundo, a conclusão em estados da região Matopiba vêm perdendo produtividade com a falta d’água.

Dessa forma, as incertezas climáticas, mais uma vez, vêm motivando a movimentação dos fundos de investimento à ponta compradora do mercado, apostando em altas ainda mais significativas. E esse movimento, ainda de acordo com analistas internacionais, é o mais intenso entre as commodities agrícolas desde julho do ano passado. “Eles estão comprando massivamente”, diz Arnaud Saulai, um corretor da internacional Starsupply Commodity Brokers.

O clima nos Estados Unidos complementa o quadro. Como explica o anlista de mercado Glauco Monte, da FCStone, “neste período de pré plantio, o mercado coloca um prêmio des risco climático até que se tenha uma melhor definição da nova safra, isso também ajuda a puxar os preços e a volta dos fundos”. Dessa forma, ele acredita que o período que se segue para o mercado internacional da soja deve ser marcado, a partir de agora, por intensa volatilidade.

No Brasil, o dólar recua nesta segunda-feira e, assim, os preços acabam ficando limitados. A moeda norte-americana, por volta das 13h, perdia 0,58%, sendo cotada a R$ 3,554. Ao mesmo tempo, em Rio Grande, a soja disponível valia R$ 79,80 por saca, subindo 0,385, enquanto o futuro valia R$ 86,00, no embarque maio/2017, com um pequeno ganho de 0,58%.

 

Fonte: http://goo.gl/9RBQN2